terça-feira, 4 de maio de 2010

Saúde distribuirá material com orientações para população atingida por chuvas no RJ

ENSP, publicada em 12/04/2010

O Ministério da Saúde está distribuindo, desde o dia 10 de abril, materiais informativos para orientar a população do estado do Rio de Janeiro, atingido por violentas chuvas nos últimos dias. Serão distribuídas 100 mil cartilhas para as pessoas em situação de abrigo e 500 mil folders para a população em geral do estado. O material contém principalmente orientações sobre manuseio de água e alimentos, cuidados com higiene pessoal e de prevenção e sintomas de doenças decorrentes das enchentes e acidentes relacionados. Nas principais rádios da cidade do Rio de Janeiro e região metropolitana, serão veiculadas mensagens de alertas para pessoas em risco de saúde por causa dos temporais. As ações de prevenção e orientação também serão disponibilizadas pela Internet e redes sociais.

Guilherme Franco Netto, diretor do Departamento de Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador do Ministério da Saúde, explica que depois de uma enchente, a escassez ou ausência de serviços básicos - como saneamento, transporte, comunicação e energia elétrica - oferecem risco adicional à saúde da população afetada. "Se as condições ambientais e de higiene não estiverem adequadas podem surgir epidemias", alerta Franco Netto.


Entre as doenças que podem ser transmitidas pela água contaminada da chuva ou das enchentes, estão hepatite, diarreia, leptospirose, doenças respiratórias, tétano acidental, febre tifoide, cólera, doenças parasitárias (como esquistossomose) e acidentes como animais peçonhentos.


Uma das principais dificuldades, segundo o diretor, é o acesso a água limpa, que afeta diretamente a higiene pessoal. A recomendação é lavar as mãos frequentemente com água e sabão, mas caso não haja água limpa disponível, pode-se utilizar somente álcool 70% (álcool gel). "Além de todos os estragos causados pelas chuvas, o contato com a água das enchentes ou esgotos pode causar diversas doenças. A prevenção e a informação ainda são os melhores métodos de evitar essas doenças", diz Franco Netto.


Cuidado com alimentos - Outra preocupação, durante uma inundação, é que a água e os alimentos não estejam em condições adequadas de consumo, exigindo procedimentos básicos para garantir sua qualidade. O material informativo do Ministério da Saúde alerta para a necessidade de que a água seja filtrada e fervida, antes do consumo. Esses procedimentos eliminam vírus, bactérias ou parasitas.


A cartilha alerta ainda que, caso a pessoa fique doente, procure a unidade de saúde mais próxima e lembre-se de contar para o médico o contato com água de enchente e nunca tome medicamentos por conta própria. Além disso, é importante avisar as pessoas, principalmente crianças, que elas não devem nadar ou brincar em poças d'água, lagos ou rios que possam estar contaminados pela enchente.


Guilherme Franco Netto lembra que se alguém apresentar três ou mais episódios de diarreia em um intervalo de 24 horas deve procurar o serviço saúde mais próximo. "É preciso ficar atento também aos sintomas da leptospirose, como febre, dor de cabeça e dores no corpo, até 40 dias depois de ter entrado em contato com contato das águas de enchente ou esgoto", destacou.


Confira aqui
a íntegra da matéria no Portal do Ministério da Saúde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário