terça-feira, 31 de maio de 2011

31 de Maio é Dia Mundial de Combate ao Fumo

31/05/2011
Fonte: Farmanguinhos
Por Aline Silva de Souza, com modificações por Vinicius Damazio 



Você sabia que uma simples tragada em um cigarro pode danificar o DNA de uma pessoa e desencadear câncer e doenças cardíacas?  Agora, imagine os danos que o cigarro faz em uma pessoa que pratica esse ato durante vários anos da sua vida. O resultado, com certeza não será satisfatório. Câncer, diminuição dos batimentos cardíacos, doença pulmonar obstrutiva, dependência química, angina e infarto são algumas das conseqüências que pessoas fumantes estão suscetíveis a desenvolver.
Hoje, 31 de maio, é celebrado o Dia Mundial Sem Tabaco e o Instituto Nacional do Câncer (INCA) promoverá ações que objetivam informar sobre os riscos do cigarro e orientar aqueles que desejam largar o vício.
O tema de abordagem escolhido pelo INCA, este ano, será a Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (CQCT), da Organização Mundial da Saúde (OMS). O CQCT é um tratado internacional, assinado por 172 países, que utiliza recursos jurídicos, visando à redução do tabagismo nos países.  Segundo a chefe da Divisão de Controle de Tabagismo do INCA, Valéria Cunha de Oliveira, o principal objetivo da CQCT é estabelecer políticas de controle quanto ao uso do tabaco, buscando preservar as próximas gerações dos danos que o seu uso possa causar nas questões sanitárias, sociais, ambientais e econômicas: “Este tratado representa a única forma de salvar vidas contra a epidemia mundial do tabagismo. Seu objetivo é a proteção de gerações presentes e futuras das devastadoras conseqüências geradas pelo consumo e pela exposição à fumaça do tabaco”.
Segundo Valéria, o tema escolhido é primordial para despertar os países quanto à importância em adotar medidas que modifiquem suas ações e cumpram com as políticas estabelecidas no tratado: “A escolha desse tema  objetiva alertar aos países que assinaram a Convenção  Quadro sobre a importância de implementar integralmente as medidas propostas. Além disso, visa  estimular aos governos que não ratificaram a assinar a CQCT,  assim como informar a população para que possa incentivar e ajudar os governos a cumprir com essa obrigação, tornando  público o verdadeiro compromisso desse tratado para o controle do tabaco mundialmente” ressaltou.
Em se tratando do Brasil, mesmo tendo obtido avanços em relação ao combate do tabaco, ela acredita que ainda existam grandes desafios para conseguir os resultados esperados: “O Brasil já avançou muito para o controle do tabaco e já comemora essas conquistas coma redução da prevalência de fumantes. No entanto, existem desafios para o controle do tabaco para cumprimento da CQCT, como por exemplo, promover a atualização da Lei Federal 9294/96 com proibição total de fumar em recintos coletivos públicos, ampliar a rede de tratamento no SUS, a manutenção das advertências sanitárias nos produtos do tabaco, total proibição de propaganda e publicidade dos cigarros e afins nos pontos de vendas, aumento do preço dos cigarros, estimular a cultura economicamente viáveis para fumicultores, entre outros”.

Dependência e Danos
Os sintomas físicos e psicológicos causados pela droga, no organismo do usuário, dificultam na luta contra o vício. Entre eles estão: maior clareza de pensamentos, maior atenção e capacidade de concentração, aumento da memória, diminuição da irritabilidade e da agressividade, relaxamento da musculatura e redução do apetite.
Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS, 2002), no Brasil, 17,2% da população é fumante (o equivalente a 24,6 milhões de pessoas) e cerca de duzentas mil morrem todo ano decorrentes do tabagismo. No mundo, esses números são ainda mais assustadores, a Organização Mundial de Saúde estima que um terço da população mundial adulta, ou seja, 1 bilhão e 200 milhões de pessoas sejam fumantes. O total de mortes anuais são de 5 milhões, o equivalente a 10 mil mortes por dia. A OMS alerta para esse número. Caso as tendências não se modifiquem e não sejam adotadas medidas preventivas, o número de mortes anuais chegará a 10 milhões até o ano 2030.
Entretanto, a preocupação não se limita apenas aos fumantes ativos.  Pessoas expostas à fumaça do cigarro (fumantes passivos) também sofrem as conseqüências. Seguindo a mesma linha de mortes anuais no mundo inteiro, o número de pessoas que morrem por inalar a fumaça liberada pelo cigarro chega a 600 mil.
Campanhas anti-fumo
Mesmo a força de vontade sendo o fator primordial para abandono do vício, muitas pesquisas apontaram a importância de um acompanhamento realizado por profissionais para que essa prática seja bem sucedida. Além das campanhas anti-fumo, o Ministério da Saúde (MS) junto com INCA, disponibilizam uma central de atendimento telefônico que auxilia os usuários a se desprender do hábito de fumar.
O site do Instituto também disponibiliza um guia de autoajuda. Os interessados em saber mais sobre o assunto podem acessar o site do INCA (http://www1.inca.gov.br/tabagismo/) ou entrar em contato pelo Disque Saúde-Pare de Fumar, através do telefone 0800 61 1997 (ligação gratuita).
Porque não fumar
* A vida de uma pessoa que fuma 15 cigarros por dia é reduzida, em média, 5 anos.
*Uma pessoa que fuma um maço de cigarros por dia tem probabilidade 20 vezes maior de desenvolver câncer de pulmão do que uma pessoa que não fuma
*Uma pessoa que fuma tem o dobro de chance de vir a ter doenças cardiovasculares do que uma pessoa que não fuma.
*O fumante tem 7 vezes mais chances de desenvolver úlceras e câncer de estômago que os não-fumantes.
*Maiores riscos e maior dificuldade na recuperação após intervenções cirúrgicas
*Mau hálito e impregnação de roupas, cabelo, objetos e ambiente doméstico pelo cheiro do cigarro.
*Além disso, o dinheiro gasto anualmente com exames, internações e medicamentos decorrentes de doenças do fumo é suficiente para construir quinze hospitais.
Composição do cigarro:
Nicotina. Causa o vício;
Benzopireno. Substância que facilita a combustão existente no papel que envolve o fumo;
Nitrosaminas;
Substâncias radioativas;
Agrotóxicos. Como o DDT;
Solventes. Como o benzeno;
Metais pesados. Como chumbo e o cádmio. Um cigarro contém de 1 a 2 mg, concentrando-se no fígado, rins e pulmões, tendo meia-vida de 10 a 30 anos, o que leva a perda de capacidade ventilatória dos pulmões, além de causar dispnéia, enfisema, fibrose pulmonar, hipertensão, câncer nos pulmões, próstata, rins e estômago;
Níquel e arsênico. Armazenam-se no fígado e rins, coração, pulmões, ossos e dentes, resultando em gangrena dos pés, causando danos ao miocárdio etc;
Cianeto hidrogenado;
Amônia. Utilizado em limpadores de banheiro;
Formol. Componente de cadáver;
Monóxido de carbono. É o mesmo gás que sai dos escapamentos de automóveis, e como tem mais afinidade com a hemoglobina do sangue do que o próprio oxigênio, toma o lugar do oxigênio, deixando o corpo do fumante - ativo ou passivo - totalmente intoxicado;
E mais de 4.700 substâncias com cerca de 700 cancerígenas.
Os benefícios imediatos de quem para de fumar
20 minutos: a pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal
2 horas: não tem mais nicotina circulando no sangue
8 horas: o nível de oxigênio no sangue se normaliza
2 dias: o paladar ganha sensibilidade novamente

3 semanas: a respiração fica mais fácil e a circulação sanguínea melhora
5 a 10 anos: o risco de sofrer infarto passa a ser igual ao de quem nunca fumou

Nenhum comentário:

Postar um comentário